11 de janeiro de 2018

Polícia prende quadrilha responsável por comércio ilegal de combustíveis



O dono de uma rede de postos e mais 11 pessoas foram presos pela Polícia Civil nessa quarta-feira, 10, suspeitos de furtarem R$ 22 milhões em combustíveis em Goiás. As prisões fazem parte da segunda etapa da Operação Líquido Dourado.

O empresário José Leonardo Ferreira Borges, dono de postos de combustíveis em Caçu, Caldas Novas e Senador Canedo, é apontado como líder de uma associação criminosa, da qual integravam sua mulher, Nara Cândida, e o enteado Augusto Godói – proprietário de um posto em Caldas Novas.

De acordo com as investigações, o empresário convencia os motoristas a cometer os crimes. Em seguida, o produto era levado para abastecer os postos de José Leonardo. Os condutores recebiam até R$ 15 mil por cada fraude. Segundo a polícia, eles bloqueavam os rastreadores. Os suspeitos presos nesta quarta-feira são de Senador Canedo, Caldas Novas, Bela Vista de Goiás e Rio Verde. Um homem ainda está foragido.

“O combustível roubado era vendido normalmente para o consumidor. O lucro dos suspeitos era imenso”, afirma o titular da Delegacia Estadual de Repressão a Furtos e Roubos de Cargas, delegado Alexandre Bruno. O delegado acrescenta que o José Leonardo, a esposa e o enteado também revendiam o combustível roubado para outros receptadores.
Segundo a polícia, o empresário e família ostentavam uma vida de luxo, com um patrimônio de R$ 3,5 milhões. “Vamos pedir o bloqueio dos bens. São imóveis de alto valor e carros importados”, explica o delegado Alexandre Bruno.

As investigações tiveram início no ano passado. Após receber informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF) de que 51 ocorrências de roubo de carretas carregadas com combustíveis tinham muitas semelhanças, a Decar começou a apurar os casos. À época, 15 pessoas foram presas.
Em quase todos os supostos roubos em Goiás, os motoristas repassavam o combustível para receptadores e, em seguida, registravam ocorrência como se tivessem sido abordados por ladrões.

A operação terá continuidade para investigar se existem outros integrantes. Os envolvidos podem responder por furto mediante fraude, receptação, organização criminosa, estocagem e armazenamento irregular de combustível.

Do Goiás Agora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Institucional

Receba em seu e-mail