30 de setembro de 2016

Jairinho repete ação de 2012 e divulga pesquisa fraudulenta



A coligação 'Compromisso com Cristianópolis', do candidato a prefeito Jairinho (PSB), divulgou na manhã desta sexta-feira, 30 de setembro, pesquisa que colocou o candidato com um número irreal à frente da candidata Waléria (PMDB). A pesquisa foi realizada pela Work Pesquisas e divulgada no Jornal O Popular em espaço pago como 'Informe Publicitário'.  Segundo o Informe, Jairinho pagou mais de R$7.000,00 para a divulgação da pesquisa.

O presidente do PMDB local, Murilo Ulhoa, afirmou que a pesquisa é fraudulenta e é uma falta de respeito com o eleitor. Ele diz que a coligação irá acionar a Justiça. "Mais uma vez eles tentam ludibriar o povo, o que eles gostam de fazer, não vamos aceitar. Já vamos procurar a Justiça contra essa mentira", afirma.

A moradora do Setor Morada Sul, Gisele Pires, foi uma das pesquisadas pela Work e informou que também acredita que a pesquisa seja mentirosa. Segundo ela, durante o questionário, o entrevistador disse que era apenas um teste. "O mais engraçado dessa pesquisa foi quando perguntei o moço o que estava fazendo, o número do registro da pesquisa ou se ela era realmente registrada. Ele ficou tão sem graça que começou a gaguejar e me disse que estava testando um novo aplicativo que a pesquisa era apenas um teste".

2012 - Nas eleições anteriores, Jairinho divulgou uma pesquisa no mesmo formato, em Informe Publicitário, no jornal Diário da Manhã, onde dizia estar à frente do candidato da época, Murilo Ulhoa, com 21 pontos de frente (a mesma diferença divulgada na pesquisa de hoje). No dia da eleição, Jairinho foi eleito com apenas 27 votos de diferença, o equivalente a menos de 2% dos votos válidos naquela eleição.

Se confirmada a fraude, o candidato pode pagar caro. A divulgação de pesquisa fraudulenta e que não reflete a realidade, mesmo se for registrada, constitui crime, punível com detenção de seis meses a um ano e multa no valor de R$ 50 a R$ 100 mil”, segundo consta no parágrafo 4º do artigo 33 da Lei nº 9.504/1997. A população também pode denunciar as falsas pesquisas no Ministério Público Eleitoral ou por meio do aplicativo Pardal do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Um comentário:

  1. então é real pois a pesquisa anterior como disse estavamos na frente, esta não sera diferente, a Vitória é nossa kkkk

    ResponderExcluir

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Publicidade

Institucional

Receba em seu e-mail