10 de março de 2014

Lixão irregular preocupa moradores


Segundo Secretaria de Meio Ambiente, município faz parte de um grupo que busca empenho na instalação de aterros sanitários próprios para eliminação de resíduos

Izadora Louise

Foto: Nádia Magalhães
Os moradores de Cristianópolis vêm sofrendo com a falta de um aterro sanitário que atenda às necessidades da população. O "lixão", dito pelos próprios cidadãos, fica localizado na entrada da cidade, próximo ao Setor Floresta. Periodicamente, é colocado fogo no local para diminuir a quantidade de resíduos e também aumentar o espaço para novos despejos. A questão que tem desagradado os moradores é o fato de o fogo gerar uma fumaça tóxica, que percorre todo o município, entrando nas casas, e afetando além da saúde de todos, as lavouras da região.

A Lei nº 12.305/2010 da Nova Política Nacional de Resíduos Sólidos determina que até o final de 2014, todos os municípios brasileiros terão que transformar os seus depósitos inadequados de lixo em aterros sanitários. Os materiais recicláveis deverão ter um destino específico, e não poderão ser enviados para os aterros sanitários como até então era realizado em algumas regiões do país. As cidades que desrespeitarem a norma podem ser multadas.

Segundo o Secretário Municipal de Meio Ambiente, José Dias Machado, a Prefeitura de Cristianópolis faz parte de um grupo composto por oito municípios que buscam engajamento em um projeto para instalação de um aterro sanitário nas cidades. "Temos que coordenar a captação de lixo. A prefeitura já está agilizando, e sabemos que o fogo gerado é irregular. Não é só Cristianópolis, o Brasil inteiro precisa mudar de comportamento. A Sema está orientando e buscando formas para montar o aterro sanitário em nossa cidade, mas apenas os recursos do município são insuficientes. Essa é uma questão de natureza federal", explica.

Ainda segundo o titular da pasta de meio ambiente do município, o projeto para aquisição do terreno é grande, e demanda tempo. "Temos que adquirir uma área de terreno adequada: no mínimo 1 alqueire de chão. Estamos nos esforçando para sair o mais rápido possível, e sabemos que o problema é de solução imediata", ressalta.

Situação no país

O Brasil possui 2.906 lixões em atividade e das 189 mil toneladas de resíduos sólidos produzidas por dia, apenas 1,4% são reciclados. Ao todo, 27% das cidades brasileiras têm aterros sanitários e somente 14% dos municípios brasileiros fazem coleta seletiva do lixo.

“A gestão de resíduos sólidos, até a publicação da lei, se deu de forma muito desordenada, trazendo uma série de prejuízos à população. Vimos proliferar lixões por todo o Brasil, com desperdício de recursos naturais que, pela ausência de um processo de reciclagem, acabam indo para esses locais inadequados. O governo vai deter sua atenção nas ações demandadas pela 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente para implementação da Política Nacional de Resíduos Sólidos,” salientou o diretor de Cidadania e Responsabilidade Socioambiental do Ministério do Meio Ambiente, Geraldo Abreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale Conosco

Nome

E-mail *

Mensagem *

Publicidade

Institucional

Receba em seu e-mail